CONDIÇÕES OFTÁLMICAS DE CÃES E GATOS COM DOENÇAS INFECTOCONTAGIOSAS

Coordenadora: Andreia Vitor Couto do Amaral

 

As doenças infectocontagiosas que acometem os animais de companhia são de grande importância na clínica de pequenos animais. O seu controle e profilaxia dependem diretamente da atuação do Médico Veterinário, que deve informar ao proprietário da necessidade da primovacinação e seu reforço, além da vermifugação, do controle de ectoparasitas, da alimentação correta e do cuidado com o acesso à rua e contato com cães errantes. Jataí é uma cidade em pleno processo decrescimento e expansão, visto ao número cada vez maior de habitantes e pelo aumento da infra-estrutura. Entretanto, no que diz respeito à criação de animais de companhia, ainda guarda os hábitos de uma cidade pequena. É comum os proprietários permitirem o livre acesso dos cães e gatos à rua e não fazerem visitas de rotina ao Médico Veterinário. Além disso, a baixa renda da maioria da população que mantem esse tipo de criação, a falta de4 vacinação e a ausência de controle de pulgas e carrapatos fazem com que as doenças infectocontagiosas tornem-se frequentes. O diagnóstico das doenças infectocontagiosas dos cães assume uma importância ainda maior quando se tratam de zoonoses. É valido lembrar que no primeiro sementre de 2011 foi diagnosticado no estado de Goiás um caso de raiva em felino e dezenas de casos de leismaniose visceral em cães, inclusive em cidades que ainda não mostravam nenhum caso de autoctone, como ocorreu em Goiânia. Comumente, as doenças sistêmicas que acometem cães e gatos podem ser manifestadas e diagnosticadas mediante alterações oftálmicas. Os casos oftálmicos podem ser desafiadores ao clínico. A criação de sociedades em oftalmologia veterinária em todo o mundo, de grupo de estudo e de pesquisas nesta área, comprovam a sua rápida expansão. Um tratamento incorreto ou inadequado pode comprometer um importante sentido para qualquer espécie animal, além de ocasionar dor e desconforto debilitantes. Certamente, a falha no diagnóstico, no tratamento ou ambos, pode resultar na perda em um dos olhos, o que procura evitar-se em mãos especializadas. Além das doenças primárias oculares, são frequentes as manifestações oftálmicas das doenças sistêmicas, notadamente aquelas de origem infectocontagiosa. Sendo assim, por muitas vezes, o conhecimento em oftalmologia acarreta em auxílio diagnóstico da erliquiose, leishmaniose, tuberculose, toxoplasmose, clamidiose dentre outras infermidades sistêmicas ou de importância como zoonoses. Ao final de cada período letivo, pretende-se realizar uma análise dos casos oftálmicos atendidos, de forma a traçar um perfil das características e formas de apresentação das doenças primárias oculares e das manifestações oftálmicas das doenças sistêmicas. Tais dados servirão como base, tanto para estudos retrospectivos, como para pesquisas futuras, uma vez que poderão ser listadas necessidades e tendências na área. O projeto poderá mostrar as condições oftálmicas dos animais portadores de doenças infectocontagiosas, como ocorre na cinomose, leishmaniose, toxoplamose, clamidiose, erliquiose, tumor venéreo transmissível, dentre outras.